FUTEBOL AMERICANO: DESENVOLVIMENTO DA MODALIDADE FLAG NA CIDADE DE MOGI GUAÇU

Marcelo Francisco Rodrigues, André Luís Machado Mariano, Francisco Arruda Mello Junior, Kleber Aparecido Borges Pedroso, Henrique Miguel

Resumo


Introdução: Considerando que esportes não tradicionais, como o futebol americano, tem apresentado um crescimento considerável no Brasil, fez-se necessário a pesquisa para avaliar se a evolução da modalidade é a mesma na cidade de Mogi Guaçu. Objetivo: Pesquisar o desenvolvimento do futebol americano na cidade de Mogi-Guaçu. Método: Foi realizada pesquisa de campo qualitativa, realizada com uma equipe que representa a cidade. Resultados: A modalidade pode ser praticada de várias formas e com objetivos diferentes por seus praticantes, apresentando-se de maneira recreativa ou de lazer, na forma de iniciação esportiva ou até mesmo como uma simples prática alternativa. Nota-se que esportes não tradicionais, levam consigo uma variedade de vivencias, sendo elas de caráter corporal e cultural, pois em sua composição está a manifestação e tradição de outro país. Conclusão: Com o estudo podemos concluir que as pessoas procuraram o Futebol Americano como uma forma de recreação e lazer, pois não se sentiam motivados e confortáveis a praticar os esportes tradicionais oferecidos pela cidade.

Palavras- chaves: Futebol Americano; Crescimento; Desenvolvimento.


Palavras-chave


Futebol Americano; Crescimento; Desenvolvimento.

Referências


Matos M. Esportes Alternativos: o que são e quais são seus benefícios para a Educação Física Escolar? Revista Saúde Física & Mental-ISSN 2317-1790, 6.2: 1-11. 2018.

Fermino PHD, Fermino RS. A inclusão do tema esportes alternativos em aulas de Educação Física na rede pública de ensino do estado de São Paulo. In: Anais VII Seminário de Metodologia de Ensino da Educação Física. USP: 2018.

Lorenzetto LA, Matthiesen SQ. Práticas corporais alternativas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

Andrade MO, Bonfim EE, Guedes FLA. Práticas corporais, identidade e formação de habitus entre grupos de praticantes da capoeira e da dieta naturalística. Vivência: Revista de Antropologia, 1.51. 2018.

Abreu M, Silva C. Futebol americano: uma nova proposta na educação física escolar. Anais do EVINCI-UniBrasil, 3.1: 160-160. 2018.

Bramante AC. Lazer: concepções e significados. Licere, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 9-17, set. 1998.

Costa NCG, Bueno IA, Rodrigues FXF. O futebol americano numa perspectiva histórico-sociológica: o caso de mato grosso. Recorde: Revista de História do Esporte, 10.1. 2017.

Pinto SIF, Erdacki VS, Biesek S. Avaliação da perda hídrica e do grau de conhecimento em hidratação de atletas de futebol americano. Rev Bras Nut Esp.:8(45):171-9. 2014.

Perfeito R, Junior CASS, Nascimento CJJ, Ferreira F, et al. Apresentação do Flagfootball como possibilidade pedagógica. Revista Augustus. Rio de Janeiro, v.17, n.34, jul/2012.

Barbosa RB. Perspectivas e tradições do fazer etnográfico. Anuário Antropológico, Brasília, UnB, v. 41, n. 2: 127-155, 2016.

Godoy AS. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de empresas, v 26, 2, São Paulo, p20-29. jul/ago, 1995.

Duarte A. História dos esportes. 4. ed. São Paulo: Ed. SENAC, 2004.

Rodrigues FXF, Costa NCG, Pedroso LC, Silva JA. Futebol americano no país do futebol: o caso do cuiabá arsenal. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n.41, p.<227-247>, jul./dez. 2014.

Pons RVS. Futebol americano no Brasil: um estudo com inspiração etnográfica sobre as práticas de consumo. 190 p. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

Souza VC, Silva RC, Picoli RMM. Motivação de atletas brasileiros de futebol americano. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 20, Nº 211, Diciembre de 2015.

Gomes CL. Lazer: necessidade humana e dimensão da cultura. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 3-19, jan./abr. 2014.

Marcellino NC. Lazer e educação. 9. ed., Campinas-SP, Papirus, 2002.

Pereira JM. A formação do bacharel em educação física e esporte: em contexto, as disciplinas de voleibol. Rio Claro: universidade estadual paulista, p. 24. 2004.

Godoy RFD. Benefícios do exercício físico sobre a área emocional. Movimento. ;8(2):7-16. 2002.

Baia AC, Machado RB, Bonifácio IM. Futebol americano e beisebol em aulas de educação física: experiências em debate. Iniciação & Formação Docente, v. 2, n. 2, Uberaba, out. 2016.

Santaella LA. Cultura das mídias. São Paulo: Experimento, 1996.

Massa M, Uezu R, Pacharoni R, Bohme MTS. Iniciação esportiva, tempo de prática e desenvolvimento de judocas olímpicos brasileiros. Rev. Bras. Ciên. Esporte, Florianópolis, v. 36, n. 2, p. 383-395, abril/junho, 2014.

Smith DJA. Framework for understanding the training process leading to elite performance. Sports Medicine, 33, 15, 1103-1126. 2003.

Silva RMP. Pedagogia do esporte: iniciação tardia em basquetebol. Monografia (Bacharelado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

Pimentel RM, Galatti LR, Paes RR. Pedagogia do esporte e iniciação esportiva tardia: perspectivas a partida da modalidade basquetebol. Pensar a Prática, Goiânia, v.13, n.1, p 1-15, jan./abr. 2010.

Andreasen JO, Andreasen FM. Texto e atlas colorido de traumatismo dental. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001. Cap. 21.

Sane J, Ylipaavalniemi P. Dental trauma in contact team sports. Endod. Dent. Traumatol. v.4, n.4, p.164-169, 1988

Oliveira VD, Albuquerque LR. Esportes Complementares na Educação Física Escolar do Ensino Médio. In: X Congresso Nacional De Educação – Educere – I Seminário Internacional De Representações Sociais, Subjetividade E Educação – Sirsse. Anais... Curitiba – PR: PUCPR, p. 5179 – 5191. 2011.

Finck SCM. A Educação Física e o esporte na escola: cotidiano, saberes e formação. Curitiba: Ibpex. 2010.

Isayama HF, Pinto LMSM, Uvinha RR, Stoppa EA. Lazer, políticas públicas e formação profissional: análise da política de formação profissional de secretarias de esporte de municípios da região metropolitana de Belo Horizonte. Gestão de políticas de esporte e lazer. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, p.211-227, 2011.

Mezzadri FM, Martines IC, Starepravo FA. Apontamentos iniciais acerca das políticas públicas para o esporte e o lazer em municípios paranaenses. In: ISAYAMA, H. F. et al. Gestão de políticas de esporte e lazer. Belo Horizonte: Editora UFMG. 521p. p. 123-135. 2011.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.