EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NA AUTONOMIA FUNCIONAL DE IDOSAS ATIVAS PRATICANTES DE DANÇA DE SALÃO

Adam José Da Silva Medeiros, Álissa Torres de Oliveira, Luiz Inácio Andrade Bezerra, Leandro B. de Camargo, Gustavo C. Martins, Carlos H. P. Fileni, Ricardo P. Passos, Bráulio Nascimento Lima, Guanis de Barros Vilela Junior, Klebson da Silva Almeida

Resumo


O objetivo do presente estudo foi avaliar e comparar os níveis de autonomia funcional em idosas através do teste do Grupo de Desenvolvimento Latino-Americano para a Maturidade-GDLAM após 12 semanas de treinamento de força. Participaram da pesquisa 16 Idosas que foram submetidas ao protocolo de avaliação, antes e após de um período de 12 semanas. Divididas em dois grupos, intervenção (GI, N=8) e controle (GC, N=8). O GI foi submetido a 12 semanas de um protocolo periodização de treinamento de força junto as aulas de dança de salão, enquanto o GC não houve nenhuma intervenção, mantendo-se em sua rotina de aulas de dança de salão. O protocolo de intervenção apresentou melhorias estatisticamente significantes apresentados no protocolo GDLAM, que podem ser identificadas com a melhoria da classificação do GI na condição pós intervenção em relação as demais condições (GIpré e GC) do estudo. Os achados deste estudo demonstram que o treinamento de força melhora os níveis de autonomia funcional de mulheres idosas ativas, mesmo considerando a prática de outras modalidades associadas a rotina.

Palavras-chave


Treinamento de Força Periodizado; Autonomia Funcional; Idosas

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.