EXERCÍCIO FÍSICO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA: COMPARAÇÃO DA PRESENÇA DE SINTOMAS DEPRESSIVOS, RISCO DE QUEDAS E QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS ATIVOS E SEDENTÁRIOS

Jéssica de Nazaré Barbosa Teixeira, Tatiane Bahia do Vale Silva, Katiane da Costa Cunha, Rodolfo Gomes do Nascimento

Resumo


Introdução: A prática de exercício físico pode interferir na capacidade funcional, influenciando na saúde e qualidade de vida dos idosos. Objetivo: Comparar a presença de sintomas depressivos, o risco de quedas e a qualidade de vida entre idosos praticantes de exercício físico e idosos sedentários em uma unidade básica de saúde do município de Belém, Pará. Método: Estudo observacional, transversal com 30 idosos. Os instrumentos utilizados foram a Escala de Depressão Geriátrica Abreviada, Escala de equilíbrio e Marcha de Tinetti e Formulário de Qualidade de vida SF-36. Para a comparação entre os grupos foram utilizados os testes estatísticos Mann-Whitney e Teste T com nível de significância de 5%. Resultados: Na análise comparativa das escalas, observou-se diferença significativa na avaliação dos sintomas depressivos (p=0,0410), na avaliação de equilíbrio e marcha (p=0,0001) e nas dimensões “capacidade funcional” (p=0,0037), “aspectos físicos” (p= 0,034), “dor” (p= 0,0231), “estado geral de saúde” (p=0,0057) e “aspectos emocionais” (p=0,0372) da qualidade de vida. Conclusão: De acordo com os resultados encontrados, os idosos praticantes de exercícios físicos possuíam menos sintomas depressivos, menor risco de quedas e melhores escores para alguns domínios da qualidade de vida quando comparados aos idosos sedentários. Portanto, tais evidências reforçam a importância da prática de exercício físico no ambiente da Atenção Primária.

Palavras-chave


Envelhecimento. Saúde do idoso. Atenção primária à saúde. Exercício Físico. Qualidade de vida.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.