A PRÁTICA REGULAR DE GINÁSTICA ARTÍSTICA NA MINIMIZAÇÃO DOS SINTOMAS RECORRENTES DO AUTISMO EM CRIANÇAS: A PERSPECTIVA DOS PROFESSORES

Ana Paula Borelli David, Jacqueline Sampaio Andrade, Patrícia Arruda de Albuquerque Farinatti, Jonas Lírio Gurgel, Flávia Porto

Resumo


O autismo é uma síndrome de procedência, ainda, não conhecida que, geralmente, tem seus sintomas evidenciados na infância. O presente estudo destaca a ginástica artística (GA) como uma ferramenta minimizadora dos sinais recorrentes dessa síndrome.  Objetivo - Investigar como professores de GA para portadores de autismo percebem os efeitos da prática regular desse esporte em características sociais e comportamentais de seus alunos. Métodos – Participaram deste estudo, seis professores, todos atuantes no mesmo projeto para crianças autistas, os quais responderam a um questionário de perguntas fechadas. Resultados – Todos os professores consideraram que houve uma melhora significativa, após o inicio da prática regular da GA nas seguintes características: independência de realizar algumas tarefas; coordenação motora; demonstrações de afeto; relacionamento com o professor e; compreensão das tarefas solicitadas. Todo o grupo considerou que o desenvolvimento da fala e do diálogo teve pequeno avanço após o início das aulas. Quanto à cognição, 67% (n=4) dos professores acreditavam que houve um pequeno avanço e os outros 33% (n=2), que houve um avanço significativo. O aumento do interesse da criança pela GA foi notado por 83% (n=5) dos professores. Conclusão Como tratamento complementar, a GA pode ajudar na minimização dos sintomas autísticos.


Palavras-chave


Esporte. Transtorno Autístico; Criança Excepcional.

Referências


Klin A. Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral Introdução A uti s m o. Rev Bras Psiquiatr. 2006;28(1).

Kern L, Koegel RL, Dyer K, Blew PA, Fenton LR. The effects of physical exercise on self-stimulation and appropriate responding in autistic children. J Autism Dev Disord. 1982;12(4):399–419.

Tomé MC. Educação Física como Corporal de Autistas . Auxiliar no Desenvolvimento Cognitivo e. Mov Percepção. 2007;11(8):231–48.

Vatavuk M de C. Ensinando Educação Física e Indicando Exercicios em uma Situação Estruturada e em um Contexto Comunicativo : Foco na Integração Social. In: Congresso Autismo – Europa. 1996. p. 1–12.

Nunomura M, Pires FR, Carrara P. Análise de Treinamento na Ginástica Artística Brasileira. Rev Bras Cienc Esporte. 2009;31(1):25–40.

Alves EC, Silva KK, Gusmão TB, Vieira MM. A influência da prática da ginástica artística na coordenação motora de crianças. Coleção Pesqui em Educ Física. 2010;9(5):21–6.

Appolinário F. As dimensões da pesquisa. In: Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. 2o ed São Paulo: Cengage Learning; 2012. p. 59–71.

Bosa C. Atenção compartilhada e identificação precoce do autismo. Psicol Reflexão e Crítica. 2002;15(1):77–88.

Silva M, Mulick JA. Diagnosticando o transtorno autista: aspectos fundamentais e considerações práticas. Psicol Ciência e Profissão [Internet]. Conselho Federal de Psicologia; 2009 [citado 4 de abril de 2016];29(1):116–31. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932009000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=es

Bessa MF de S, Pereira JS. Equilíbrio e coordenação motora em pré-escolares: um estudo comparativo. Rev Bras Ciência e Mov. 2002;10(4):57–62.

Bagarollo MF, Panhoca I. História de vida de adolescentes autistas: contribuições para a Fonoaudiologia e a Pediatria. Rev Paul Pediatr [Internet]. Associação Paulista de Pediatria; março de 2011 [citado 4 de abril de 2016];29(1):100–7. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822011000100016&lng=en&nrm=iso&tlng=pt


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.